Um Apólogo (ou O rei continua nu?)

 

 

 

 

 

 

Este artigo foi escrito originalmente para o jornal A Notícia, de Santa Catarina, e publicado posteriormente no site Portal da Família. Na época, a extinta TVE e a TV Cultura transmitiam a excelente série “Contos da meia-noite”.

No caso de “Um Apólogo”, um dos contos selecionados, as emissoras nos brindaram – e a Machado de Assis – com o talento e o brilho pessoal da grande atriz Marília Pêra.

Lamentavelmente, o que fazia sentido naquele momento, assim como já fizera quando Machado escreveu esta obra-prima, permanece inalterado. Temo que pelo total desconhecimento e falta de respeito à dança, situações como a descrita se eternizem, contribuindo para o enterro da verdadeira dança a que chamamos Arte.

Era mais ou menos assim, o artigo:

“Relendo Machado de Assis, que mestre maior não existe, abri o volume dois de sua obra completa, na página com o mesmo título deste artigo. Não por acaso eu o selecionara. O texto, que envolve uma agulha, uma linha e um alfinete, me lembrou, de imediato, inúmeras situações conhecidas. Já no fim do conto a linha pergunta à agulha:

“-… Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá? Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha: – Anda, aprende tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar a vida…Fazes como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam fico.” E Machado conclui: “Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse: – Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!”

Suponho que o mesmo ele teria dito a muita agulha com carreira legítima, sempre a abrir caminho para linhas oportunistas. E é por isso que muitos profissionais se alfinetam; para que sair de onde estão, se ao final da história resta-lhes o insignificante papel de coadjuvante de sua própria história?

É verdade que existem agulhas e agulhas: há as finíssimas, de fundo estreito, só servem para linhas requintadas; há as rústicas, de crochê, de tricô, de tapeçaria, aceitam até linha do tipo barbante, são ótimas para linhas de pura lã. E há as agulhas péssimas, tortas, enferrujadas, grosseiras; pelos seus fundos passam até mesmo fio dental de má qualidade. Não servem para perfurar nem brim, muito menos tecidos delicados. Mas as linhas do poder, as que menos costuram, dão-se às mil maravilhas com as agulhas.

À custa do caminho que essas agulhas, mal ou bem, abrem, linhas politicamente habilidosas integram comissões, mudam a grafia internacionalmente adotada da palavra ballet num país de estrangeirismos inaceitáveis, distribuem prêmios, assinam manuais que deseducam, distorcem a história, programam dança pelas tevês sem qualquer critério (adoram ilustrar a dança acadêmica com o que de pior existe, uma vez que não entendem nada do assunto), forjam gênios, enfim, exercem uma atividade de dar inveja até às poucas agulhas que, sabe-se lá como, conseguem acompanhar o traje da baronesa.

Machado de Assis só não falou dos tecidos. Quem sabe por respeito à fábula “O alfaiate e o rei”. Para os que não a conhecem, esse rei encomendou um costume aos mais famosos “alfaiates” da época. Percebendo que o rei nada entendia de coisa alguma, muito menos de alta costura, os espertalhões decretaram: “Só os inteligentes conseguem enxergar a roupa nova do rei, uma verdadeira obra de arte”. E assim, fingindo costurar um traje com agulhas, linhas e tecidos que não existiam fizeram o tal rei sair nu.

Na fábula a ingenuidade e a sinceridade de uma criança aponta a verdade da nudez real. Hoje, quando tantas agulhas, linhas, alfinetes e tecidos sequer existem, são inventados, ainda que lamentavelmente visíveis, quem terá coragem de gritar que muitos teatrólogos e atores investidos de um súbito conhecimento de dança, coreógrafos da mente, analistas neuroniais, curadores, doutores, críticos, performers da nova era, bailarinos desinteressados e ignorantes de sua profissão estão nus?

Eu, pessoalmente, não tenho vocação para alfinete; amo essa dança chamada ballet de forma muito visceral para ficar, filosoficamente, contemplando seu enterro, programado por linhas mal intencionadas, auxiliadas por agulhas iludidas. Também nunca consegui ser linha de espécie alguma. Linhas precisam conviver com o Poder. Eis que sou absolutamente incapaz de transitar com poderosos.

Concluo admitindo, melancolicamente, como o professor de melancolia de Machado de Assis, que não sei onde me encaixar. Mesmo admitindo que precisamos tanto da linha de nylon, forte mas ponderada, segura mas delicada; e de agulhas generosas, dispostas a abrir caminhos para companheiros de todas os segmentos de dança.

Anúncios

5 Respostas to “Um Apólogo (ou O rei continua nu?)”

  1. Regina Maria Benevides Ferraz. Says:

    Cami querida.Ninguém melhor do que você escreve sobre ballet.
    ironizando de maneira profundamente inteligente baseando-se
    em ditos de Machado de Assis e em faltas de todos os conhecimentos da
    arte mais linda e difícil do mundo que engloba todas as outras.
    Ninguém conhece nada.Só quem pisou no palco pra dançar de verdade não importa em quais mas,assumindo a responsabilidade
    da dança da técnica acopladas as notas musicais todas enfim
    um compêndio maravilhoso.Quero ler mais,não pude lêr tudo.
    Seu blog é infinito,sua vida, conheço um pouco bastante pelos
    seus esforços e a grande bailarina,artista e professional,
    escritora,que está pra mim,junto com as melhores.Me perdoe
    um parecer minúsculo,deante da beleza do seu Blog.
    Muitos beijos.Sua Regia.

  2. elianacaminada Says:

    Querida Regina, você é uma bailarina de carreira e de coração. Admiro sua capacidade de gostar, de se envolver com todos nós, pela sua capacidade de dar carinho, afeto, amizade. Obrigada pelo comentário. Um grande beijo.

  3. Cesar Lima Says:

    Se não lhe conhecesse me tornaria fã. Como conheço já sou. O que dizer depois de ler isso? Não há mais o nada ser dito. Há sim, a ser feito. Divulgado e espalhado aos quatro cantos. Claro, na esperança que as agulhas tenham aprendido a ler.
    Um grande beijo!

  4. elianacaminada Says:

    Em 17 de julho de 2012 11:58
    De Luis Arrieta
    querida Eliana,
    com respeito ao texto de Machado de Assis/Caminada
    o rei continua nu e toda pessoa que se atreva delatá-lo será cortada,
    e se for criança, como no texto, também será cortada pelo Herodes de plantão, junto com todas as outras, pelas dúvidas,
    “Em terra de cegos quem tem um olho… também lhe será tirado para jamais poder alertar os outros”
    Desculpe minha aparente falta de esperança
    mas a agulha também é faca e espada
    e parodiando a música: a mão que costura também faz a guerra
    mas não tenho encontrado na minha vida maior ato subversivo do que a dança
    abraço
    Luis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: