O novo Projeto de Lei da Dança é um engodo.

Eliana Caminada
7 h · Rio de Janeiro ·
Amigos, ontem atendi à convocação do Sindicato da Dança, presidido pelo meu querido companheiro Caio Nunes, com a intenção de conhecer melhor o texto do Projeto de Lei para a Dança e contribuir com sugestões que pudessem aperfeiçoá-la. Estava bastante entusiasmada mas a primeira frase que ouvi, logo ao chegar foi: Essa lei não aborda o ensino da dança.
Como assim? Se uma PL vem para regularizar a situação da dança, faz exigências de formação e propõe um quadro imenso de competências, está-se falando de ensino, sim. Até porque, se é para tratar apenas de questões trabalhistas a lei anterior é ótima e a ela bastavam acréscimos.
Bem, eu não deveria esperar muito de legisladores que, em nome do oba oba e da demagogia barata usam o nome de Daniela Mercury como referência da dança. Para nós, artistas da dança, referência em dança é Ana Botafogo, Cecília Kerche, Carlinhos de Jesus, Jaime Arôcha, Marli Tavares, Jarbas Homem de Mello, para falar apenas nos que estão na mídia.
Discutir a lei, ítem por ítem, e abrir para sugestões sobre as 200.000 competências que encontraram para um profissional da dança, foi exatamente o que não aconteceu. Houve sim, depoimentos filosóficos com clara intenção política, queixas sobre a situação deste ou daquele segmento de dança, enfim, o de sempre, tudo o que afasta o verdadeiro profissional da dança, perfeito para aqueles que se metem na dança e passam a pontificar por pura habilidade política. E para depois debochar claramente do que estamos expondo. Uma Lei sobre Arte precisa ser elaborada com a contribuição de Artistas, não de burocratas. A burocracia, os próprios parlamentares orientam e se incumbem de formatar.
Na 6a feira passada eu assisti a um ensaio de danças urbanas com Thiago Soares e Danilo d’Alma, coreografados por Renato Cruz. Amei aquela dança que tem força, que se expressa através do movimento, não das palavras. Aliás, do jeito que aquela lei está elaborada, brevemente o coreógrafo será dispensável, substituído pelos diretores de 200 coisas diferentes que serão competência da dança. Qual!!! Isso é Brasil.
Paro por aqui. Ainda teria muito a dizer a companheiros de jornada em dança. Mas tentar encetar uma conversa com advogados que nada entendem de arte…Ah, concluí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: